Arquivo da categoria: MÚSICA

Clipe Rock Rocket “Maria Eugênia”

Confira o novo videoclipe da banda Rock Rocket, “Maria Eugênia”, com participação do Guizado. Realização Kana Filmes.

É tudo uma mentira!

A partir de agora, Câimbra não é mais uma dor muscular. Câimbra é uma banda de São Paulo, que grita em português e toca o cotidiano pesado, lento e desesperado da cidade. A banda nasceu num estúdio da zona oeste, em meio a encontros e desencontros de seus 5 integrantes. Todos vêm de outras bandas, mas juntaram suas diferentes influências musicais num Sludge Rock desconstruído e fragmentado. Como deve ser.


Câimbra nasceu no estúdio, mas se desenvolveu no palco. Gostam é de tocar. Já se apresentaram em várias cidades do interior paulista, nas melhores e piores casas da capital, sempre com a mesma performance intensa que não deixa esquecer: “Aqui não há portas de saída”.

 Colocar pra tocar o EP de estréia do Câimbra, é como uma epifania paradoxal. É como descobrir que existe um caminho que nem sabíamos mais procurar, ou não queremos encontrar. Um desconforto prazeroso. Cinco faixas gravadas ao vivo, num grito tão verdadeiro, que como o nome do disco, vem para nos chacoalhar: É tudo uma mentira.

CÂIMBRA – É TUDO UMA MENTIRA (2011)
DOWLOAD do EP
Bandcamp 
Sixtyone
Myspace
Soundcloud 
FACEBOOK

Contato Câimbra:
piettro.rms@gmail.com

post: Gustavo McNair

Clássicos de Sábado

Faz tempo que não postamos os famosos clássicos de sábado, então tinha que ser um “daqueles”!

Peter Frampton – Show Me The Way (1975)

Veja os outros clássicos de sábado aqui. 

post: Gustavo

Billie Holiday

Dois anos atrás, quando as gravações do Rádio Kanastra estavam paradas entre duas temporadas na MTV, fizemos uma pequena homenagem na data de morte da diva Billie Holiday.

[videolog 461050]

A big mistake for a “small” word

A banda Faces foi formada em 1969, pelos remanecentes do grupo Small Faces, que se juntaram com a já dupla Rod Stewart e Ronnie Wood. Com o fim do Jeff Beck Group (que contava com Rod, Ronnie e Jeff), os três passaram a frequentar jam sessions com os ex-membros do Vanilla Fudge. Dessa jam, nasceu a sensacional banda Cactus, mas sem nenhum desses três músicos.

Jeff Beck acabou sofrendo um grave acidente de carro, e ficou afastado da música por um ano. Ronnie e Rod sairam para formar o Faces. Outros grandes músicos se juntaram ao Cactus, que acabou virando uma super banda de Hard Rock (vá atrás).

O Small Faces era liderado pelo Steve Marriott e Ronnie Lane. Com a saída de Marriott para formar o Humble Pie (ele se juntou com Peter Frampton, ex- The Herd), Ronnie Lane convidou Wood e Stewart para a banda, que virou Faces.

O primeiro disco da banda, “First Step”, saiu no começo dos anos 70. Na capa, Ron Wood aparece lendo um livreto sobre os primeiros passos para tocar guitarra.

Uma curiosidade que revoltou a banda na época, foi que a edição americana do álbum saiu com o nome Small Faces na capa. Gafe histórica.

Edição britânica, original

Edição americana, com o título errado

x
x

x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
x
O Faces lançou 5 discos, o último já em meio a desentendimentos, frente ao “estrelismo” de Rod Stewart, que já estava fazendo sucesso com 2 discos solo. Ron Wood acabou se juntando definitivamente aos Stones (ele já estava apoiando a banda de vez em quando), e a banda termina em 75. Atualmente, existem rumores de que a dulpa Wood e Stewart estão armando um retorno da banda com a participação de Mick Hucknal, ex-vocal do Simply Red.

No mais, First Step talvez não seja melhor que A Nod Is as Good as a Wink… to a Blind Horse (1971), terceiro disco da banda (e na minha opinião o melhor) mas é um grande disco dos maravilhosos anos 70.

post: Gustavo McNair

Exposição de Artes Visuais do SWU Music & Art Festival 2010

O SWU Music & Art Festival, que aconteceu nos dias 9, 10 e 11 de outubro de 2010 em Itú, São Paulo, foi um dos grandes momentos musicais do ano. E foi também um grande momento para a “arte sustentável”, esta que propõe a apropriação dos excessos sociais trazendo-os de volta para nossa relação participativa, que foi bem representada com várias obras de grande porte que foram expostas arena do evento.

A curadoria da exposição de artes visuais ficou por conta de Eduardo Srur, com com quem a Kana já vem trabalhando há algum tempo. Ele convidou 5 artistas, que junto com ele montaram seus trabalhos: Bijari, Jamac, Urban Trash Art, Flávia Vivacqua e Cooperaacs.

A Kana Filmes foi convidada por Srur para registrar o trabalho dessa curadoria, fotografando e gravando imagens e entrevistas para um vídeo final, imersão que começou já bem antes da exposição, acompanhando os artistas, os 10 dias de montagem e os 3 dias do festival, que trouxe mais de 150 mil pessoas ao espaço.

Um trabalho potencialmente interessante, acompanhado tão proximamente, rendeu um material fundamental e surpreendente para os artistas que participaram, e principalmente para a curadoria de Srur: uma tiragem exclusiva de dvds, com o vídeo final e fotos, e um encarte com textos, fotos e créditos das obras, totalmente proposto e desenvolvido pela Kana Filmes.

Veja abaixo o vídeo e os modelos do encarte.

Capa do dvd SWU ARTS 2010

Capa do encarte

Tenda Oficina by JAMAC - Páginas 4 e 5

Ônibus Verde by BIJARI - Páginas 6 e 7

Centopéia Viking by UTA - Páginas 14 e 15

 

Antes do festival, a Kana fez o vídeo que apresentou a exposição de artes do festival para toda a imprensa, abrindo a última coletiva antes do evento.

Lobão: 50 anos a mil

No dia 10 de dezembro, será lançado oficialmente o livro autobiográfico de Lobão, 50 anos a mil. Título sugestivo e pertinente, já que Lobão é um dos poucos roqueiros brasileiros dos anos 80 que manteve a postura e as boas composições.

Junto com o livro, Lobão lança músicas inéditas, como uma trilha sonora, para serem ouvidas durante a leitura, ou não. Duas músicas inéditas já podem ser baixadas no site, bem como um trecho do livro, e o prefácio.

Segundo a sinopse:
“Preparem-se porque, a partir de agora, vou contar uma história de amor louca, insólita, humana, demasiadamente humana, imprevisível, improvável, mas bem real: a história da minha vida, que se mescla e se confunde com a da minha geração, do nosso país e de nosso tempo.”

Sem dúvida, uma leitura curiosa e bandida de uma vida, louca vida.

http://www.lobao.com.br/

 

post: Gustavo McNair