Mutarelli, Lourenço

Enquanto seu segundo romance, “O Natimorto” de 2004, vira filme, Lourenço Mutarelli lança mais um livro, “A arte de produzir efeito sem causa”.

arte_produzir

Falei, alguns post abaixo, sobre o Marçal Aquino, escritor de linguagem moderna, rápida, cujos escritos visuais, transbordando um homor negro de descrença no mundo, seguem a mesmo linha dos textos do Mutarelli. Não é a toa que ambos estão cada vez mais envolvidos com o cinema.

Marçal participou dos roteiros dos filmes do Beto Brant e outros (veja no post), enquanto Mutarelli, que teve o seu “Cheiro do Ralo” transformado em longa, e fez as ilustrações expressionistas de “Nina” (ambos de Heitor Dhalia), escreveu também para Dhalia o “Jesus Kid“, encomendado para virar roteiro, e agora tem seu “Natimorto” prestes a ser lançado.  Aliás, o promo já caiu na internet, e segue abaixo (a atuação é do prórpio Lourenço).

Quanto ao seu recente livro, “A arte de produzir efeito sem causa”, estou lendo e gostando muito. Toda a decadência do mundo, sob a ótica de um personagem desesperançoso e desinteressado (recorrente em suas obras) está lá. Sou seu fã desde a época em que só produzia quandrinhos excelentes, como “A caixa de Areia”, “Transubstanciação”, “Mundo Pet”. (confira sua obra completa aqui).

Um frescor criativo e inteligente na literatura brasileira. Quem nunca leu um Lourenço Mutarelli, aproveite as férias para se reapegar à leitura. Dica dada e garantida.

 

PoST: Gustavo

3 Respostas para “Mutarelli, Lourenço

  1. Engraçado. Acho o Mutarelli um cara legal, de boas idáias. Mas não vejo frescor em seus textos. Tudo me soa muito marcado pela Geração 90.

    O que ele escreve tem sem dúvida qualidade, mas não vejo como algo novo.

  2. Acho q o frescor tem a ver com a linguagem, o jeito de contar a história. Um descritivo diferente do descritivo tradicional.
    E, fora, que o conteúdo e forma “apocalípticos” é totalmente contemporâneo, dialogando com todo o tipo de produção artistica intelectual.

  3. Quando meu pai se encontrou com o ET fazia um dia qentue, de Lourene7o Mutarelli: A poteancia de transformar uma rotina pacedfica e chata em um verdadeiro acesso de insanidade e dfavidas e9 o que faz este livroa0ser mais um exemplar indispense1vel para quem quer conhecer a obra de Lourene7o Mutarelli —a0um autor que transforma linhas sucintas em verdadeiros tornados de emoe7f5es. (Felippe, Meia Palavra)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s