Arquivo da categoria: ARTISTA: INDISPENSÁVEL

Francis Alÿs: Indispensável

Eu não conhecia Francis Alÿs. Quando me deparei com um de seus vídeos projetados em  uma das paredes do MOMA, em Nova Iorque, senti que não conhecia nada.

Francis Alÿs é um belga que se formou em arquitetura em Tournai, depois em engenharia em Veneza, e depois se mudou para a Cidade do México. No começo dos anos 90, seus vídeos começaram a aparecer.

No vídeo que estava sendo projetado, um gringo alto e magro (o próprio), empurrava um bloco de gelo enorme pela cidade do méxico até ele derreter completamente. No fim, as imagens urbanas davam lugar ao título da obra: Sometimes Making Something Leads to Nothing (1997).

Pronto.

Senti que aquela simplicidade trazia mais riqueza que todo o resto que vira no museu. Passei um bom tempo assistindo aos outros vídeos, um melhor que o outro, e descobrindo mais desse artista que fala tão bem sobre tudo com tão pouco.

Francis Alÿs é indispensável porque discute a arte, o mundo e a sociedade como nenhuma poucas obras complexas conseguem. Suas idéias misturam intenção e frustração. No melhor sentido, o paradoxo que caracteriza todo a nossa era.

Nunca vi ninguém resumir tão bem nossos tempos.

Assista seus trabalhos em seu site oficial:
http://www.francisalys.com/

post: Gustavo McNair

Sebastien Grainger: Indispensável

Sebastien Grainger é um músico canadense desses bem ativos na confusa cena “indie” atual. Ficou mais conhecido com o já finado grupo, um duo na verdade, de eletro-punk, Death From Above 1979, onde ele tocava bateria e cantava, acompanhado apenas do baixo super distorcido de Jesse F Keeler (veja abaixo a potência).

Com o fim do Death em 2006, Grainger concentrou-se em seu trabalho solo, e lançou em 2008 o Sebastein Grainger & The Mountains, onde ele gravou todos os intrumentos, formando depois uma banda top para o acompanhar nos shows. Esse trabalho já se mostrou com menos peso do punk, e mais influências eletrônicas e indies. Rock, e dos bons.



Esse namoro com a música eletrônica está evidente num de seus trabalhos recentes, o Bad Tits, que já liberou alguns vídeos conceituais na internet, bem legais.


Além disso, Sebastien é um dos sócios do Giant Studios, em Toronto. Atualmente, está anunciando a gravação de um novo trabalho, Hours to Discover, que deve estar pronto em breve.


Por ser um dos músicos atuais mais influêntes do Canadá e do mundo, e ter feito bandas das mais criativas da nova cena eletro-rock-punk-seiláoquê, Sebastien Grainger é indispensável.

Site oficial
Myspace
Death From Above 1979
Bad Tits

post: Gustavo

Linton Kwesi Johnson: Indispensável

Linton Kwesi Johnson nasceu na Jamaica e se mudou para Londres aos 13 anos de idade. Lá, estudou na Universidade de Goldmith, tornando-se um dos maiores poetas negros ativistas (mais tarde, inclusive, foi militante dos Panteras Negras).

lintonKwesiJohnson

O estilo refinado de sua música é único e incontestável. Ele mistura versos de poemas próprios, quase todos políticos, escritos em Jamaican Patois, uma mistura de inglês com dialetos africanos, com bases de dub-reggae, em sua maioria compostas pelo músico e produtor britânico Dennis Bovell.

O resultado provoca uma audição atenta e instigante. Vício, na hora.

Atualmente, Johnson participa de alguns shows engajados, ainda escreve, além de tocar uma gravadora que fundou com o intuito de insentivar a música política jamaicana, a LKJ Records.

Abaixo, o vídeo de uma apresentação recente do mestre cantando uma de suas melhores músicas, um outro com uma letra apenas recitada, sem base musical (performance que ele costumava repetir sempre, valorizando seus versos), e o link de uma antologia, clássica e essencial, para baixar, recomendadíssima.

Indispensável. SÉRIO!

Linton Kwesi Johnson – Want Fi Goh Rave

Linton Kwesi Johnson – Inglan Is A Bitch (1980)

51oktwkt9ql_sl500_aa280_Indicação:  LINTON KWESI JOHNSON
Independant Intavenshan – The Island Anthology

Veja todos da categoria músico: indispensável aqui.

post: Gustavo

Tom Waits: indispensável

Tom_Waits_c_Anton_CorbijnTom Waits é um dos artistas que consegue com mais propriedade manter-se alternativo, sem deixar brechas para discussões. É um roqueiro que mistura jazz com folk, totalmente experimental, canta com um voz rouquíssima, no melhor estilo negão do blues, baladas com melodias quebradas totalmente autenticas. No cinema, coleciona participações sempre excelentes, que trazem esse tom “marginal” aos filmes. Tanto é, que Tom Waits é figura bem recorrente nos filmes de Jim Jarmusch.

Tom Waits é indispensável, necessário, fundamental.

Tom Waits – Eggs ans Sausages (Mike Douglas Show 1976)

Tom Waits – Waltzing Matilda (live 1977)

Tom Waits – Rains Dogs

Tom Waits – Dowtown Train (live 1986)

Em breve, mais da nova sessão músico: indispensável .

post: Gustavo